quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Escuro

mais que viver dia após dia
mais que olhar para cima quando é difícil
mais que enfrentar o tempo cruel e a mesmice
mais que descansar
é necessário deixar ir
tua voz, teu eco, o cheiro, teus braços
tua pele, olhar, tua voz quando fala meu nome
os sonhos, projetos, as imaginações que a gente criou 
e cada quimera que cantamos juntos
os passos, poemas, risadas, os gritos
é preciso deixar que vá
que flutue rio à fora
que se misture nos lençóis
que se desprenda
o peito, a morada, o conforto, os cabelos
as palavras, toques e respirações
memórias, contornos, entregas
é preciso deixar ir o amor
é preciso voltar para si
e deitar no escuro
e segurar a dor na palma da mão
que é tudo que me resta de você
e tudo que se transpõem dentro de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário