segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Sobre tudo o que você nunca disse

A chuva inteira que cai
e seca a sua alma
sou eu
O peito que queima
e põem fogo em ti
me pertence
Das gotas que você toma
e a sede nunca passa
Dos poemas que você lê
e as palavras nunca bastam
Dos romances e entregas
tudo o que não bastou e sufocou
Todo o inteiro que nunca te partiu
De todo o muito que não foi ainda assim exato
De todo e qualquer olhar que você ouse entregar
Para cada um dos teus desencontros
Para cada um dos teus suspiros
Para cada uma das tuas canções
Para cada madrugada fria
Existe uma mão que te alcança
Existe um coração que toca o seu
Existe uma boca que guarda o gosto de chumbo
Do cigarro que azeda a tua doçura
E é a minha
E eu sei,
O seu desespero sou eu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário